Quais são os tipos de coleta de dados políticos?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

As eleições estão cada vez mais próximas – e quem quiser pleitear um cargo no setor público precisa começar a analisar sua aceitação junto ao público o quanto antes. Afinal, não há melhor aplicação da expressão “a voz do povo é a voz de deus” do que no campo das campanhas políticas…

No entanto, não existe apenas uma forma de coletar dados e pensar nos próximos movimentos da estratégia.

São muitos os tipos de coleta de dados políticos e eles precisam ser levados em consideração pelos comitês (ou até mesmo pelos candidatos, se não tiverem condições de criar uma equipe de campanha) para que os dados sejam recolhidos e apurados da forma mais assertiva possível.

No fim das contas, não adianta absolutamente nada ter um monte de informações nas mãos e não saber como transformá-las em ação política para encantamento do povo. Quanto melhor for a coleta de dados, e mais intuitiva e simplificada for sua análise, mais chances tem um político de ser eleito.

Os principais tipos de coletas de dados

Existem duas formas básicas de coletar dados políticos em campo: a quantitativa e a qualitativa.

Na pesquisa quantitativa as perguntas permitem respostas diretas e sem muita abertura para interpretações dúbias. Nesse tipo há questões que terão como resposta “sim” e “não”, um número ou uma opção dentre quatro ou cinco já programadas.

A pesquisa quantitativa é a famosa “múltipla escolha”, em que o entrevistado tem um questionário à sua frente e vai precisar definir sua resposta com base em uma série de possibilidades pré-definidas.

A análise desses dados costuma ser mais simples pois é feita em formato de gabarito, uma vez que basta jogar as respostas em um sistema de correções (analógico ou digital) para compilar os dados adquiridos.

Já a pesquisa qualitativa vai fazer perguntas de escopo aberto, ou seja, permitir quaisquer variações de resposta por parte dos entrevistados. “Você gosta do sistema atual da política brasileira? Explique” é muito diferente de apenas um “sim” ou “não”.

A análise de um dado qualitativo é mais complexa, já que é preciso levar em consideração quem respondeu, qual é seu background com o assunto abordado, como o entrevistado estava no dia (com pressa? Com calma? Apreensivo?) e se ele de fato respondeu o que gostaria de ter dito ou foi, de certa forma, coagido a dar determinada resposta.

Quando uma equipe consegue extrair o máximo potencial da pesquisa qualitativa ela pode ser uma fonte interessante de dados.

Qual é a melhor forma de coletar dados políticos?

Como o tempo é curto e não são todas as pessoas que conseguem fazer uma boa análise das respostas qualitativas, a coleta quantitativa de dados ainda é o melhor dos tipos de coleta de dados políticos.

Por ser mais direta nas perguntas e nas respostas, ela não toma tempo do público entrevistado e pode ser analisada de forma igualmente rápida nos comitês de campanha.

Lembra que falamos ali em cima que a análises desses dados poderia ser feita de maneira analógica ou digital? Pois é: muita gente ainda leva papel e caneta pras ruas e faz todo o recolhimento e análise das informações no braço, mas existem softwares que estão tornando essa coleta mais fácil e intuitiva.

O Data Goal é um exemplo: através de um sistema de pesquisa totalmente online o comitê de campanha política pode ir a campo com um dispositivo móvel e recolher informações que já estarão compiladas em tempo real.

Essa é a modernidade ajudando os políticos a pensar melhor suas estruturas de campanha, entregando ao povo o que o povo precisa – uma saída importante para o momento político tenso, e cheio de cobranças populares, que vivemos.

Quer falar mais sobre isso? Entre em contato com a gente! Como acreditamos no potencial das ideias acima de tudo, temos condições especiais de pesquisa até para as campanhas com orçamento mais modesto.