Pesquisa de satisfação interna: tudo o que você precisa saber

Um dos melhores propagadores da cultura da empresa são seus colaboradores. Por isso, nada melhor que realizar uma pesquisa de satisfação interna e descobrir se existem pontos frágeis na relação empresa/funcionário que precisam ser solucionados.

Para que ela seja efetiva, porém, é preciso desenvolvê-la de forma estratégica, considerando o objetivo da pesquisa e até mesmo o cenário econômico atual, assim como é feito no caso de uma pesquisa de satisfação do cliente.

Será que você sabe, de fato, o que afeta o desempenho dos seus colaboradores? Para responder à pergunta com dados confiáveis, veja o que é necessário saber sobre a pesquisa de satisfação interna.

O que é a pesquisa de satisfação interna?

A pesquisa de satisfação interna é uma ferramenta fundamental para a gestão dos recursos humanos. Então, com ela, é possível buscar dados quantitativos e qualitativos sobre a satisfação dos colaboradores, cultura e clima organizacional.

Ao desenvolver e aplicar uma pesquisa de satisfação voltada para o público interno, a empresa pode escolher estratégias de gestão e desenvolvimento humano que podem aumentar a performance de seus colaboradores.

É preciso lembrar que o desempenho dos funcionários e a forma como eles se relacionam com clientes, fornecedores e parceiros, pode receber influências de diversos fatores.

Um bom exemplo de como esses fatores podem influenciar no desempenho dos colaboradores é a percepção deles sobre a chegada de novas tecnologias no ambiente de trabalho.

A pesquisa da Forrester Consulting em parceria com a Ui Path The future of Work still being written, but who is holding the pen? mostra que  41% dos funcionários das empresas respondentes têm preocupação sobre suas habilidades. O temor é que elas não sejam suficientes para acompanhar as tecnologias adotadas.

Publicada em 2020, a pesquisa também mostra que 53% dos contratados sentem-se ameaçados e receosos em não conseguir atender às atribuições mais complexas nesse processo de modernização.

Uma pesquisa de satisfação interna traduz dados similares a estes, colocando-os dentro da realidade do negócio, e permite avaliar como e por quais razões o desempenho dos funcionários é afetado. O instrumento da pesquisa também serve para o desenho das estratégias que vão tornar esse (necessário) processo menos estressante.  

Quais são seus benefícios?

Tomar decisões eficazes relacionadas à gestão de pessoas é essencial para o crescimento sustentável do negócio. Isso, sem dúvidas, é um dos benefícios da utilização da pesquisa interna – que pode ser percebido em diferentes aspectos.

Redução do turnover e absenteísmo

Colaboradores que deixam a empresa ou são demitidos geram custos no processo de desligamento, causas trabalhistas, novo recrutamento e treinamento.

Além disso, o ex-colaborador leva consigo um conhecimento e experiências valiosos para o negócio, o que vai levar tempo para que o recém-contratado chegue a esse nível.

Então, com a pesquisa de satisfação é possível criar políticas e oferecer benefícios que vão satisfazer os colaboradores, aumentando a percepção de uma relação ganha-ganha.

O mesmo vale para o absenteísmo, que é quando o funcionário fica afastado por motivos de saúde. Ambientes estressantes, conflitos internos e outros problemas comportamentais podem contribuir para o aparecimento de doenças.

Ou seja, identificar e tratar esses problemas é essencial.

Criação de uma base de dados para o plano de ação do RH

Com os resultados da pesquisa, a área de RH pode criar ações voltadas para os problemas levantados.

Então, é importante entender que o principal objetivo do processo é encontrar aspectos nos quais a empresa está falhando, visando a melhoria de cada um deles. Até mesmo grandes negócios aplicam a pesquisa de satisfação interna e colhem informações que estão longe da realidade que gostariam.

A Google tem uma pesquisa de satisfação interna, chamada Googlegeist, que, em 2019, trouxe um resultado preocupante: apenas 74% dos colaboradores afirmaram confiar no potencial do CEO da empresa para conduzi-la no futuro. No ano anterior, essa mesma pergunta registrou 92% de confiança.

Ou seja: a partir de dados específicos, a área de RH pode criar ações de envolvimento, comunicação e outras ferramentas para mudar cenários adversos. Sem a pesquisa, nada disso é possível

Como aplicá-la a pesquisa de satisfação interna

A pesquisa de satisfação interna pode ser aplicada regularmente pelo negócio ou em situações específicas. Um exemplo: após a decisão da empresa adotar o home office na época do isolamento social.

No caso da aplicação regular, e, usando as mesmas questões sensíveis para sua cultura e performance, os resultados das pesquisas podem ser avaliados historicamente, o que vai permitir cruzar os dados com as estratégias utilizadas no período.

Em situações pontuais será possível identificar novos dilemas, estresse, conflitos e dificuldades de relacionamento que podem afetar o clima organizacional depois da ocorrência.

É importante garantir que os colaboradores estejam confortáveis para responder às perguntas, tornando o anonimato dos formulários e o uso de empresas terceirizadas para conduzir o processo alternativas viáveis.

Garantir um processo simples e objetivo também é fundamental e, pensando nisso, sua empresa pode usar boas práticas de outros modelos de pesquisa.

Quer uma dica? Preparamos um conteúdo sobre como otimizar o processo de pesquisa. Leia mais ou entre em contato conosco para saber como podemos ajudar.