Entenda como funciona a margem de erro das pesquisas eleitorais

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

As eleições são um período bastante turbulento para os institutos de pesquisa, já que a população espera que a maioria “acerte” o nome dos vencedores na corrida às urnas, especialmente quando os cargos pretendidos são de destaque, como Presidência ou o Governo de um estado.

É nas idas e vindas dos gráficos dos principais candidatos que buscamos entender como funciona a margem de erro das pesquisas eleitorais, uma vez que é impossível garantir, com certeza absoluta, que o resultado das eleições vai ser o que as pesquisas determinam.

E tem jeito certo de delimitar como funciona a margem de erro e estabelecer critérios realistas para ela?

A verdade é que tem sim, uma vez que a pesquisa eleitoral é toda feita através de métodos científicos, mesmo quando os recursos utilizados são mais tecnológicos – como o software de pesquisa DataGoal, por exemplo.

Contudo, antes de entender como funciona a margem de erro nesse tipo de pesquisa é indispensável saber o que, afinal, é uma margem de erro e para que ela serve.

Entendendo como funciona a margem de erro em pesquisas

A margem de erro – que é aquele índice de pontos percentuais para mais ou para menos – não é levada muito em consideração quando o resultado das pesquisas é incontestável, como o nome de um candidato que tem 70% das intenções de voto, com margem de erro de cinco pontos percentuais para mais ou para menos.

Nesse caso do exemplo, seja como for, o candidato em questão está nadando de braçada, mesmo se a margem de erro se confirmar. Em um cenário de empate técnico, no entanto, é a margem que pode fazer toda a diferença.

Isso se explica através da metodologia de pesquisa eleitoral, feita, como todas as outras, de amostras. Afinal, não é viável, sob nenhum ponto de vista, perguntar a cem milhões de pessoas em quem elas vão votar nas próximas eleições.

Para saber a quantas andam as intenções de voto ao redor do país, é preciso fazer um recorte fiel da amostragem de pesquisa, colocando no escopo de entrevistas pessoas que tenham perfis-chaves para que os resultados sejam fiéis à realidade.

Nessa etapa, são escolhidos os respondentes através de uma série de características que podem dizer respeito a um grupo de pessoas que, provavelmente, vai desenvolver a mesma linha de raciocínio, dando aos pesquisadores uma noção interessante das intenções de voto.

Até aí tudo bem, mas como funciona a margem de erro nesse cenário?

Bem, a margem de erro será, então, a representação da estimativa máxima de erros que podem ocorrer dentro desse recorte de pesquisa, sejam eles quais forem: um respondente que foi perfilado da maneira errada, uma pergunta que não estava bem construída, alguém que respondeu de maneira diferente do que realmente pensa e por aí vai.

Quem define as margens de erro aceitáveis?

Os pontos percentuais da margem de erro para mais ou para menos são definidos pelos pesquisadores que elaboram a pesquisa, uma vez que eles entendem seu escopo e podem ser mais criteriosos nesse tipo de dado.

No caso específico das pesquisas eleitorais, quanto maior for a margem de erro, menos precisos são os prováveis resultados. Um exemplo: há muita diferença na margem de erro de 2% em relação à de 5% e a dessa em relação a de 10%, e por aí vai.

E, nem precisa dizer, os candidatos não podem se debruçar sobre as pesquisas eleitorais, por menor que sejam as margens de erro, achando que a eleição está definida ali: ao contrário disso, o que as pesquisas tendem a fazer é dar mais subsídios aos comitês de campanha para continuar na liderança da disputa ou virar o jogo.

O que faz a margem de erro ser pequena e os resultados mais realistas é a qualidade do recorte que é feito junto ao público entrevistador. Se uma pesquisa levar em consideração apenas um grupo de pessoas, como os filiados de determinado partido ou moradores de um só bairro, obviamente o resultado obtido será bastante enviesado.

Por isso, não importa muito onde você faça as pesquisas – se é pagando por um caro instituto ou utilizando um software online para essa finalidade – desde que a metodologia utilizada seja assertiva e aplicada no público correto.

Quer saber mais sobre pesquisas eleitorais e como funciona a margem de erro? Fale com a gente.