Ética e serviço público: como melhorar os processos internos?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

“Ética e serviço público” é um tema muitas vezes polêmico, mas necessário de ser abordado. Afinal, por mais que as entidades tenham o propósito de trabalhar para o cidadão, esse serviço não pode ser prestado de qualquer forma. Além disso, existe uma percepção distorcida do funcionalismo público, cuja imagem ainda remonta aos tempos em que tudo era mais devagar e até sem compromisso com o contribuinte.

Embora o cenário tenha mudado bastante, sempre nos esbarramos com casos que envolvem a deturpação dos valores morais e a má conduta da administração pública diante de fatos que desrespeitam o cidadão, ferem a imagem do funcionalismo público e colocam em xeque a eficiência dos serviços prestados.

Hoje o Estado abrange atividades necessárias para  o bom funcionamento de todas as cidades do país, como justiça, saúde, educação, infraestrutura, liberação de alvarás e saneamento básico, entre inúmeros serviços gerenciados pelas prefeituras e estados. Contudo, o bom desempenho e a eficácia de cada um deles vai depender do cumprimento do código de ética pelos membros de cada repartição.

O que é ética do serviço público?

De uma forma geral, ética é o conjunto de valores que norteiam o comportamento humano na sociedade, aquilo que define quais ações podem ser consideradas  corretas ou não. Partindo desse princípio básico, o serviço público também é regido por um conjunto de normas que regem a conduta dos trabalhadores que servem à população brasileira.

Os princípios éticos no serviço público foram definidos pelo Poder Executivo Federal em seu decreto nº 1.171, de 1994. Para organizá-los, o Poder Executivo Federal produziu o decreto nº 1.171, também em 1994. A aprovação do código de ética profissional foi criado para o servidor público federal, porém os estados e municípios podem escrever seus próprios códigos, tendo como referência a lei nacional.

No documento, estão descritas não somente as regras que o funcionário público precisa seguir para ter uma conduta considerada correta, mas também as penalidades cabíveis em caso de algum descumprimento. Dessa forma, o órgão  institui a sua própria comissão de ética para avaliar casos de violação.

O que diz o código de ética do serviço público

Apesar de ter como base o decreto federal, o código de ética não é engessado. Ele permite que a administração defina as condutas mais apropriadas para cada órgão, município e/ou estado.

De maneira geral, existem aspectos éticos que devem ser contemplados nos processos para posterior desdobramentos de ações, como:

  • Desempenhar as atribuições no tempo adequado;
  • Atender o cidadão com rapidez, se empenhando para não gerar pendências nem atrasos;
  • Manter a integridade e visar o bem comum;
  • Manter a organização no ambiente de trabalho;
  • Tratar o cidadão com cuidado, agindo sem qualquer tipo de preconceito;
  • Abster-se de o usar o cargo para favorecimento pessoal e obter vantagens indevidas;
  • Não permitir que interesses pessoais interfiram no atendimento ao usuário;
  • Se valer da função para criar artifícios para atrasar o atendimento ao cidadão;
  • Utilizar de todos os instrumentos cabíveis para garantir o direito de quem busca o serviço público.

Para lidar com todos esses princípios e garantir o pleno entendimento e o cumprimento correto dos preceitos que regem ética e serviço público, a administração precisa melhorar os processos internos. O que é isso? Escrever procedimentos e fazer adequações necessárias para cada repartição.

Como a ética interfere nos processos internos do serviço público

A melhoria dos processos no serviço público depende de vários fatores, como avaliação do cidadão sobre o serviço prestado, satisfação interna por parte dos funcionários, análise dos envolvidos em cada etapa das atividades, acompanhamento dos resultados, investimento em tecnologia e aperfeiçoamento da comunicação interna.

A maneira mais eficiente de entrar no detalhe de cada aspecto é através da pesquisa. Por meio da metodologia correta, ela mapeia problemas, identifica erros, riscos e oportunidades. Além disso, fornece ao gestor elementos sólidos para a melhoria dos processos internos ligados à ética e serviço público.

O universo do serviço público é muito grande, sendo inviável realizar entrevistas com todos os funcionários ou aplicar questionários de maneira convencional. É por isso que a utilização de um aplicativo de pesquisa, como o fornecido pela Data Goal, é a forma mais  rápida, eficiente e segura de coletar dados na administração pública.

Pra começar, o formulário é elaborado na própria plataforma, a partir de um sistema amigável e intuitivo. No entanto, os profissionais da Data Goal ficam à disposição para prestar o suporte necessário.

Com o aplicativo, a pesquisa pode ser realizada de qualquer lugar e com um menor custo de investimento. O fluxo é muito simples: os pesquisadores podem ir a campo  portando apenas um smartphone ou tablet, ou encaminhar o questionário por e-mail ou celular para o respondente.

Os benefícios da utilização da ferramenta online de pesquisa são visíveis a curto prazo. Além de o Estado não precisar desembolsar alguns milhares de reais para pagar os institutos de pesquisa, o app Data Goal oferece:

  • Aplicação de pesquisa em modo offline;
  • Possibilidade de retirada de resultados parciais com os pesquisadores ainda em campo;
  • Banco de dados confiável para produção do relatório final no mesmo dia;
  • Recurso de combate à fraude;
  • Monitoramento da localização das coletas por GPS;
  • Indicadores de produtividade média individual e de equipes.

Se o objetivo da organização é promover a prática da ética no serviço público, a pesquisa de satisfação quanto à conduta ética de seus departamentos é a melhor maneira de mapear as mudanças que precisam ser realizadas nos processos internos. 
Entre em contato com a Data Goal e venha conhecer nossas soluções!