Pesquisa social: 5 métodos e técnicas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

A sociedade, de forma geral, é impactada por uma série de fatores, sejam eles ambientais, tecnológicos, políticos ou urbanos, provocados tanto por órgãos governamentais como por empresas privadas. As consequências podem ser muitas, indo de negativas a positivas, a depender do contexto. Descobrir os detalhes desses resultados é o principal ativo da pesquisa social.

A pesquisa social nada mais é que um método usado por cientistas e pesquisadores com o objetivo de entender o comportamento das pessoas e da sociedade. Essa ferramenta permite o planejamento de ações, envolvendo desenvolvimento de produtos ou serviços que se adaptam às necessidades dos mais diversos públicos.

Vamos a um exemplo para ilustrar o conceito: o acesso ao transporte público de qualidade é um problema relatado pelos cidadãos da maioria das cidades brasileiras. Quando o município quer implantar ou ampliar o serviço, faz uma pesquisa social para entender os impactos desse projeto a curto, médio e longo prazo.  

Diante desse cenário, o objetivo não é saber se a população acha uma boa ideia ou não melhorar o transporte na cidade – já que a resposta a isso é bem óbvia! -, mas utilizar essa pesquisa para entender outros problemas sociais relacionados à questão central, como: 

  • Bairros e regiões que o transporte irá afetar diretamente;
  • Condições de cada localidade em relação a iluminação, pavimentação, segurança, passarelas.
  • Riscos de aumento da violência, devido ao maior número de pessoas circulando na região;
  • Aumento do barulho, poluição e acidentes.

Pode parecer que não, mas a implantação de uma obra, mesmo que seja para benefício da população, causa grande impacto social. Para acompanhar essas mudanças, vamos apresentar 5 métodos e técnicas de pesquisa social que vão ajudar a orientar todo o trabalho do investigador:

1 – Pesquisa social quantitativa

A pesquisa quantitativa, como o próprio nome diz, quantifica os dados para responder um problema. A coleta das informações é realizada através de questionário, usado quando se pretende validar estatisticamente uma hipótese.

As informações obtidas no método quantitativo vêm em formato de números ou de dados. Por exemplo: 35% da população local acredita que a empresa X vai proporcionar mais empregos para a região.

2 – Pesquisa social qualitativa

Já o método qualitativo explora a pergunta com mais profundidade, considerando informações subjetivas, particularidades e vivência dos entrevistados. Assim, faz-se uma análise mais ampla e não quantificável.

Ao contrário do método quantitativo, essa pesquisa é conduzida de maneira mais livre e sem a utilização de um questionário estruturado, pois o objetivo é estimular o entrevistado a opinar com mais liberdade, o que nem sempre pode ser expressado em números.

Os formatos para o método qualitativo podem vir como entrevistas ou grupos focais, técnica que reúne algumas pessoas para discutir um assunto específico com a presença de um moderador.

3 – Elaboração do questionário

Independente do método definido para a sua pesquisa social, você vai precisar elaborar um questionário para a coleta de dados. Ao fazê-lo, o pesquisador deve ter em mente a definição do problema e o público-alvo. Esses dois fatores vão determinar os tipos de perguntas a serem feitas e o vocabulário empregado nas entrevistas.

Em situações onde o questionário é aplicado em regiões com população com baixo grau de escolaridade, é indispensável tirar jargões técnicos da pesquisa para evitar confusão e constrangimentos.

Caso o  modelo definido seja uma entrevista ou grupo focal, prepare um roteiro com base no problema a ser abordado para conduzir o trabalho sem sair da delimitação proposta.

4 – Pesquisa em campo

Uma técnica bastante utilizada pelos institutos é a pesquisa de campo onde, para obter as respostas para aquilo que se quer, o pesquisador vai literalmente a campo coletar os dados. Munido de formulário e caneta, o entrevistador se dirige aos pontos demarcados pela amostra e começa a colher as informações necessárias.

Essa técnica de pesquisa social, embora tenha sido a mais utilizado durante anos, contém algumas desvantagens que precisam se listadas:

  • Custo alto, devido ao pagamento de pesquisadores, auxiliares e apoio técnico, além de gastos com transporte, lanche e até hotel, quando o trabalho é realizado em outra cidade;
  • Diferença no entendimento e interpretação das perguntas;
  • Fraudes nas respostas da pesquisa. Infelizmente isso pode acontecer por diversos motivos: não comprometimento com o trabalho, aplicação do questionário em uma área não definida e até o pesquisador se passando por entrevistado e marcando as respostas de forma aleatória;
  • Dificuldade em separar os formulários e compilar os dados.

5 –  Aplicativo de pesquisa social

O aplicativo de pesquisa é uma técnica mais atual e segura de se fazer pesquisa social. Por meio de uma plataforma digital é possível trilhar todos os passos de uma investigação, seguindo as metodologias aplicadas no modelo tradicional.

Por se tratar de um estudo que abrange um recorte populacional maior, o volume de coletas e entrevistas também é considerável, envolvendo muito mais pessoas para realizar o trabalho de campo, o que gera mais custos e até possíveis fraudes.

Com o app de pesquisa social, como o desenvolvido pela Data Goal, a solução se torna bem mais simples e fácil, pois o software auxilia a equipe de campo a conduzir as entrevistas de forma correta e eficiente.

Outro aspecto que gera imprecisões no resultado é a digitação das pesquisas. Isso acaba sendo um gargalo que atrasa a entrega dos resultados. A ferramenta de pesquisa online praticamente elimina o problema, visto que a aplicação não demanda digitadores ou qualquer outro profissional para a preparação do banco de dados, conferindo ao processo agilidade e um custo menor de investimento.

O aplicativo de pesquisa social da Data Goal oferece inúmeras vantagens para as iniciativas públicas e privadas que necessitam aplicar o questionário, tais como:

  • Aplicação de pesquisas em modo offline;
  • Possibilidade de retirada de resultados parciais com os pesquisadores ainda em campo;
  • Banco de dados para produção do relatório final no mesmo dia;
  • Recurso de combate à fraude com gestão de equipes de pesquisa;
  • Monitoramento da localização das coletas realizadas por GPS;
  • Indicadores de produtividade média individual e de equipes.

Se você precisa medir o impacto de uma ideia ou de um empreendimento na comunidade local, o app da Data Goal pode te ajudar. Venha conhecer nossas soluções e tirar a prova!