Os 3 desafios do uso de dados no ciclo de políticas públicas

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

Conjunto de processos para a elaboração de programas e ações, o ciclo de políticas públicas é um momento importante. A partir dele, é possível propor soluções que irão impactar a vida de milhares de pessoas.

Para quem não conhece o ciclo de políticas públicas, ele é um conjunto de ações que atua na identificação dos problemas enfrentados pela sociedade. Também ao longo desse processo, acontece a implementação de soluções. 

Além disso, uma fase final desse ciclo avalia o desempenho das ações que foram colocadas em prática. Durante cada etapa, algumas informações requer o uso de dados.

A partir de informações, obtidas em pesquisas ou levantamentos como o desenvolvido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), é possível identificar os problemas de um local. Com esse movimento, gestores conseguem encontrar o que precisa de melhorias. 

Entretanto, esse processo não é tão simples quanto parece. Alguns fatores podem contribuir para que esse movimento seja mais complicado. Confira, a seguir, algumas dificuldades que envolvem o uso de dados. 

1. Dúvidas em relação a efetividade de novas tecnologias

Investir na modernização de setores é um processo com custos que, para muitas instituições, pode parecer muito alto. Devido a dificuldade de mensurar os impactos desse avanço, essa mudança  pode não ser priorizada. 

Além disso, digitalizar ou inovar o setor de tecnologia de uma instituição pode parecer um processo muito disruptivo. O que para um grupo pode ser visto como uma inovação, para as alas mais tradicionais pode não ser adotado ou até mesmo rejeitado. 

Isso pode acontecer, principalmente, se há uma cultura organizacional que valoriza alguns processos que, muitas vezes, estão ultrapassados. Um exemplo é pensar em setores que, ainda hoje, usam processos físicos em vez de migrá-los para o meio digital.

2. Segurança dos dados nas políticas públicas

Ações como a digitalização de documentos requer uma estrutura técnica capaz de impedir o vazamento de informações sigilosas. Para além dos aspectos que envolvem as estratégias usadas para proteger informações, é importante lembrar das leis que regulamentam a área. 

Uma das questões desafiadoras desse processo está relacionada à falta de regulamentação que possa esgotar a questão dos dados pessoais. Uma das legislações mais famosas da área é o Marco Civil da Internet, que regula o uso da internet no Brasil. 

Apesar de  garantir a privacidade e proteção de dados pessoais, a legislação propõe questões importantes, porém não é capaz de fechar todas as pontas que envolve o uso de dados. 

3. Limitação técnica no uso de dados

Nas últimas décadas, vivemos um grande salto na produção e armazenamento de informações. Entretanto, no setor público muitas áreas ainda estão longe das novidades ligadas ao uso de tecnologia da informação. 

Um desses problemas envolve a sincronização das informações que o poder público possui. Isso porque existem bases de informações que não conseguem se comunicar. E, infelizmente, a solução desse problema pode ser bem demorada. 

O eSocial, sistema informatizado da Administração Pública, é um exemplo desses desafios. O sistema buscava sincronizar os dados do CNIS, FGTS e CPF. Devido a disputa de espaço e poder entre órgãos importantes, esse processo demorou dois anos. 

Além desse problema, outras questões dificultam o uso de dados no ciclo de políticas públicas. Equipamentos ultrapassados e a falta de pessoas qualificadas que saibam usar novas tecnologias também atrapalham o processo de modernização na área. 

Quer saber mais? Siga nossas redes sociais.